Para que serve a glutamina no rendimento esportivo

Uma das perguntas que costumo receber dos pacientes que chegam em meu consultório é: “para que serve a glutamina?”

Na verdade, essa é uma dúvida ainda mais comum entre aqueles que praticam algum esporte de maior intensidade.

E isso acontece porque um dos benefícios da glutamina é o fato de contribuir para a manutenção das nossas células, incluindo dos músculos.

Mas, ainda que a glutamina de fato ofereça essa vantagem ao nosso corpo, trata-se de um aminoácido capaz de contribuir para uma série de outras situações.

Isso quer dizer que posso indicar o aumento da ingestão de glutamina mesmo para os pacientes que não são esportistas.

Parece confuso? É por essa razão que hoje resolvi esclarecer o que é e para que serve a glutamina!

O que é glutamina?

A glutamina nada mais é que um aminoácido, isto é, um tipo de molécula que é capaz de ajudar a compor as proteínas.

Ela, por sua vez, contribui para a manutenção das células do nosso corpo, em especial do intestino, sistema imunológico e dos músculos.

É justamente por conta da relação com o sistema imune e muscular que muitos dos meus pacientes que fazem parte do universo da atividade física se questionam a respeito da glutamina.

Para que serve a glutamina?

A glutamina pode oferecer diversas melhorias para o nosso organismo descubra como
A glutamina pode oferecer diversas melhorias para o nosso organismo descubra como

A glutamina é fundamental para o crescimento e a manutenção das células, sendo inclusive a principal fonte energética das células do intestino.

São essas células que fazem parte da absorção de nutrientes, algo que acaba formando uma barreira protetora intestinal.

Porém, o aminoácido ainda ajuda nos músculos, fígado e no sistema imunológico, sendo que o nosso corpo é capaz de fabricar de forma espontânea e abundante.

É por essa razão que sempre digo que esse é um aminoácido do tipo não essencial, porque somente uma pequena parcela vem de alguns alimentos que são ricos em proteínas.

Em quais situações recomendo a suplementação de glutamina?

Na verdade, quem tem uma alimentação bem equilibrada, o corpo é capaz de produzir glutamina em níveis suficientes.

Por esse motivo que, na maior parte das vezes, a suplementação não é tão necessária. Através de uma boa dieta o paciente pode voltar a obter os níveis adequados desse aminoácido no organismo.

Para que eu possa indicar a suplementação, preciso solicitar e analisar o exame do meu paciente em questão, para ter a certeza de que essa é a melhor indicação.

Mas, falando de maneira geral, algumas das razões que podem motivar a suplementação de glutamina são:

1. Barreira contra doenças

Já se sabe que a l-glutamina é a maior fonte de energia das células da mucosa intestinal, sendo considerada até como uma “parede virtual”.

Na verdade, ela é a responsável por até 70% da proteção imunológica do nosso corpo. Isso só acontece porque a glutamina alimenta as células do intestino delgado e grosso, os enterócitos.

E, quando estão saudáveis, essas células acabam por reduzir a permeabilidade intestinal.

Por consequência, acabam dificultando a passagem de alguns organismos que podem causar doenças, como vírus e bactérias.

2. Fortalecimento do sistema imune

Outra situação em que posso indicar a glutamina é quando o paciente precisa obter fortalecimento do sistema imune.

Nessa situação, isso apenas acontece porque a glutamina atua na preservação da função imune e, assim, serve de fonte energética para as células de defesa do organismo.

Além do mais, também é precursora de algumas citocinas anti-inflamatórias e do oxidante mais potente do nosso corpo, a glutationa, a qual tem direta ligação com a imunidade.

No entanto, para utilização da glutamina nesses contextos, geralmente é mais indicado para pessoas hospitalizadas.

Alguns estudos mostram que a ingestão de l-glutamina ajuda a diminuir o risco de infecções, tempo de permanência em hospitais e, por consequência, menor risco de mortalidade.

3. Reforço na ação antioxidante

Quando o fígado capta a glutamina, acaba estimulando a síntese de glutationa, que é mais potente antioxidante do nosso corpo.

A grande vantagem é que ele contribui no combate aos radicais livres, que costumam ser produzidos diante de lesões, estresse, infecções, envelhecimento ou até em dietas pobre em minerais, vitaminas e nutrientes.

A glutamina ainda é capaz de diminuir o estresse oxidativo e interferir nas citocinas inflamatórias. Dessa forma, pode minimizar as lesões nas células do fígado.

Portanto, representa uma potencial terapia para a toxicidade hepática, um dos danos ocasionados ao fígado devido a substâncias químicas.

4. Auxílios a atletas

Outra situação em que posso indicar o uso da glutamina é para auxiliar alguns perfis de atletas.

A glutamina ajuda a aumentar as reservas de glicogênio muscular, evitando que o organismo queime massa muscular para gerar energia.

Mas, além de recuperação muscular, a glutamina oferece outros efeitos potenciais, como evitar a produção em excesso de amônia, que é tão comum na prática de exercícios físicos relacionados à fadiga.

O aminoácido ainda pode ajudar a reduzir os danos das células do sistema imune que estão associados ao exercício de endurance.

Como tomar glutamina?

Como profissional, devo mencionar que não existe uma maneira inexorável de tomar a glutamina, haja vista que pode variar de acordo com uma série de fatores.

A depender do caso, posso indicar o consumo antes ou depois do treino, a depender de cada necessidade.

Antes do treino, a glutamina pode reduzir a fadiga e ainda aumentar o desempenho. Depois, ela age na recuperação do músculo.

No entanto, pessoas que possuem algum problema intestinal também podem fazer seu uso, uma vez que se trata de um excelente alimento para as células da parede intestinal.

Mas, além de explicar para que serve a glutamina, o paciente deve seguir todas as orientações de uso, para se adequar às necessidades do seu corpo.

O uso desse aminoácido ainda pode acontecer em momentos como recuperação de cirurgias ou em exercícios de alta intensidade.

Outra coisa que preciso avaliar antes de indicar a suplementação é a respeito do cuidado de recomendar um que tenha alto padrão de qualidade e matéria-prima 100% vegetal.

É melhor tomar a glutamina antes ou depois do treino?

Assim que explico aos meus pacientes sobre para que serve a glutamina, logo em seguida eles se questionam sobre quando devem fazer uso do suplemento.

Mas, como já destaquei antes, não existe uma fórmula única, uma vez que isso varia de acordo com a necessidade individual de cada um.

O consumo do suplemento ainda pode acontecer antes de dormir, por exemplo, sendo que a dose adequada também depende de diversos fatores.

A glutamina oferece efeitos colaterais?

No caso de o paciente fazer uso deliberado desse aminoácido, sim, pode oferecer alguns efeitos colaterais.

Por essa razão que o recomendado é marcar uma consulta para que possamos analisar a necessidade do seu organismo.

No geral, consumir mais de 40 gramas por dia de glutamina pode acabar prejudicando a distribuição de outros aminoácidos no organismo.

Em decorrência, o paciente pode ter alguns efeitos colaterais no estômago e rins, levando a deficiência de produção do aminoácido pelo organismo.

Também não é incomum receber pacientes que apresentam os seguintes sintomas por conta da suplementação deliberada de glutamina:

  • Prisão de ventre;
  • Flatulências;
  • Náuseas;
  • Vertigem;
  • Boca seca;
  • Aumento da secreção nasal;
  • Esfriamento dos pés;
  • Retenção de líquido.

Para evitar esses e demais sintomas, agente uma consulta para que possamos entender a real necessidade do seu organismo.

A glutamina engorda?

Além de me perguntarem sobre para que serve a glutamina, há alguns que questionam se esse aminoácido engorda.

Mas, como a glutamina não tem açúcar quando é isolado, acaba não somando calorias na sua dieta.

Existe contraindicação para o uso da glutamina?

A grande contraindicação para o consumo da glutamina são para o grupo de pessoas que possuem problema de diabetes.

Isso acontece porque eles não metabolizam da forma correta esse aminoácido.

Se você está grávida ou amamentando, antes de começar a suplementação também precisa passar pela orientação médica.

Outra classe de pessoas que precisam evitar a suplementação com a glutamina sem qualquer orientação médica são aqueles que possuem alguma patologia ligada ao rim ou insuficiência renal.

A mesma coisa acontece para pacientes idosos e crianças.

Referências

Glutamine: Benefits, Uses and Side Effects.

Disponível em:
https://www.healthline.com/nutrition/glutamine

Glutamine.

Disponível em:
https://www.mountsinai.org/health-library/supplement/glutamine

L-Glutamine Benefits Leaky Gut & Metabolism.

Disponível em:
https://draxe.com/nutrition/l-glutamine-benefits-side-effects-dosage/

O que você achou disso?

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Gostou? Compartilhe! 🥰
Nutricionista Goiânia Juliana Borges

Nutricionista Juliana Borges

Juliana Borges é nutricionista, graduada pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC) e especialista em alimentação saudável e performance. Além disso, Juliana é atleta de fisiculturismo, Bicampeã Brasileira na categoria Wellness em 2018 e 2019. [CRN1 – 18734]

×